Empresa

A UBQ (Unidade de Bioquímica, Madeira) é uma microempresa sediada na Região Autónoma da Madeira que pretende posicionar-se na área da I&D, e mais especificamente no mercado das biotecnologias azuis. A UBQ foi fundada em 2011, sendo o seu fundador e administrador Dr. João Dionísio. A empresa começou a sua actividade comercial em finais de 2014. A UQB tem com antecedentes históricos, os Laboratórios Farmacêuticos Zior, do Dr. Rodrigues Dionísio, o qual, nos anos 70, séc. XX, desenvolveu várias fórmulas galénicas, com o propósito de combater as carências nutricionais na população madeirense. A empresa possui escritórios no Funchal e instalações industriais no Parque industrial do Estreito de Câmara de Lobos. Nesta fase de instalação e implementação a UBQ tem contado com a parceria da Universidade de Madeira, que através do BG ISOPlexis, que tem prestado apoio e consultadoria na investigação e desenvolvimento, disponibilização de laboratórios e equipamentos, desenvolvimento e inovação de produtos para actividade comercial da empresa.

A UBQ ostenta um plano estratégico que passa pela selecção e produção de macroalgas, que serão utilizadas no:

  • Consumo a fresco ou em conserva;

  • Matéria-prima para processamento e incorporação em produtos de amplo consumo alimentar, como condimento ou aditivos;

  • Produção de extractos naturais que serão utilizados em suplementos na prevenção de algumas carências, nomeadamente a carência de iodo;

A implementação desta estratégia contribuirá para os esforços da Região no âmbito da Estratégia para o Mar e desenvolvimento da Economia azul, com a semi-domesticação, cultivo e aproveitamento de recursos marinhos actualmente não explorados.

A UBQ tem desenvolvido esforços no sentido de implementar com sucesso a sua estratégia de negócio, a qual depende da reunião de várias condições:

  • Implementação de uma aquicultura para produção de macroalgas, em semicativeiro, em tanques, que em perspectiva passará por cultivos em plataformas marinhas.

  • Desenvolvimento das suas instalações industriais, com a implementação de um laboratório industrial e uma linha de produção;

  • Investigação e desenvolvimento de produtos inovadores e valor acrescentado.

Enquadramento científico

A UBQ II desenvolve os seus produtos no âmbito de combate á carência de iodo ainda presente em mais de 1 bilião de pessoas globalmente (cerca de 19% da população mundial) que estão em risco de contrair doenças originadas pela carência no consumo deste mineral, sendo a endocrinopatia mais comum no mundo. Cerca de 200 a 300 milhões de pessoas têm a doença da gota visível ou manifestações similares e cerca de 6 milhões são cretinos (Survey, 2000). De acordo com a WHO, esta carência representa um problema de saúde pública e recentemente publicou uma estimativa que 54 países de 126 ainda têm um consumo inadequado de iodo e 23 milhões de bebés ainda nascem com um consumo de iodo, considerado insuficiente. Como a WHO previne internacionalmente o consumo de sal como risco de hipertensão, esta fortificação de iodo deverá ser abandonada (Zimmermann, 2007).

O bócio é uma das manifestações visíveis da carência de iodo, aumentando a tiróide para níveis desporpocionais, podendo este ser invertido com a suplementação de iodo ou aumentando o consumo de alimentos contendo uma quantidade adequada de iodo. O cretinismo resulta também desta carência quando a progenitora tem um baixo consumo de iodo durante a gestação, principalmente a partir do segundo trimestre, apresentando uma ameaça ao desenvolvimento económico e social de países. A administração de iodo durante o segundo trimestre de gravidez reverte os danos causados pela deficiência de iodo. No entanto, os danos obtidos depois do fim do segundo trimestre de gravidez são permanentes. Esta carência nutricional também provoca diminuição da fertilidade, aumento do aborto espontâneo e mortalidade infantil (Zimmermann, 2007). Baixo consumo de alimentos provenientes do mar, devido aos elevados custos e baixa disponibilidade e também pela presença de goitrogénicos em certos alimentos podem levar a uma inadequada utilização de iodo pelo organismo.